sexta-feira, 24 de novembro de 2006

Primavera

08 Setembro 2005


Quarta-feira fria em Setembro, estou na sala da casa de meus pais, computador ligado, brigando com o Orkut. Ou não. Brigando com o Internet Explorer que cisma em travar quando eu tento escrever nesse lap top podre de velho que gosta de tambores e não entende minha necessidade de me comunicar pela internet.
Depois de 50 anos de casados, meus pais passam grande parte do dia sentados cada um em sua poltrona, vendo TV e conversando sem parar. Meu pai repete histórias, minha mãe escuta pacientemente e comenta cada uma delas. Relembram velhos amigos, velhos acontecimentos, contam velhas novidades. Um sempre muito interessado na opinião do outro. Seja sobre o Severino Cavalcante, seja sobre a gravidez da Sol na novela das oito. Grávida ela não vai ser deportada...Lembra daquela cantora mexicana que engravidou do policial...porque não aproveitam e deportam o Severino para os Estates definitivamente...Eles não se importam com a falta de interrogação no meu teclado e continuam trocando impressões sobre tudo.
De repente minha mãe comenta sobre a roseira no jardim. "Está linda! Tem mais de 15 botões!" Meu pai esclarece que durante os dias secos ele andou regando a roseirinha. "Água é tudo! A plantinha agradece com flores". Ao que ela responde: "É quase primavera. Na primavera não se sabe o que acontece...tudo floresce. Tudo brota. Tudo ganha força."
Ai ai ai!
Levei tanto tempo sem entender meus Setembros. Claro! É primavera! O tempo em que tudo floresce. Tudo brota e ganha força! Só eu não tinha percebido...
Minha flor favorita aparece em Setembro: flor de pêssego. A direção de arte mais impressionante da natureza. Um escuro e aveludado caule marrom repleto de pequenas e perfeitas flores cor-de-rosa desenhadas por uma criança caprichosa. Cheiro de pêssego. Cara de menina apaixonada em dia frio de sol. Nada mais romântico quando está no pé. Nada mais chique quando está no vaso. Nada mais original quando num buquê, feito presente. E veja só...ela aparece sempre quando é Setembro.
Todos os grandes presentes da minha vida chegaram em Setembro. A primeira gravidez, a segunda filha (quase em Setembro), um casamento, duas empresas, alguns ótimos empregos, todas as minhas paixões.
Setembro é marcado por cheiros maravilhosos e amores eternos. Entre primeiro e 12 de setembro me apaixonei...todas as vezes que me apaixonei. Sou casada com o homem que apareceu em Julho e eu enxerguei em Setembro. Vejo mais estrelas, sonho mais, compro mais flores, ando mais na rua, entro mais em mim mesma, sorrio mais, amo mais em Setembro.
Isso porque é Primavera - diz minha mãe - tudo ganha força na primavera.
Neste Setembro lutei contra mim numa batalha que começou em Julho mas eu tive que enfrentar quando o mês das minhas flores chegou. A mais árdua batalha contra meus olhos, minha vontade e meus desejos.
Vi novamente as flores brotando no pessegueiro. Vi novamente as painas voando sobre a cidade. Senti frio na sombra e calor no sol. Senti o cheiro do café no terraço. Esquentei minhas mãos na caneca vendo as azaléias na praça.
Sorri tanto por dentro, senti meu coração se aquecer, minha pele aquecida no sol, meus olhos encantados de novo...
É esse cheiro de primavera!
É porque não se sabe o que acontece em Setembro. Parece que tudo floresce. Tudo ganha mais força.

Beijinhos de flor-de-pêssego

4 comentários:

Gislaine disse...

Me!!!Setembro é mágico mesmo...Obrigada por sempre tocar no coração com suas palavras.Eu estava deixando de lado tantas coisas,me fechando novamente na minha conchinha...Mas sei que preciso abrir o coração novamente e sentir essa magia de Setembro...

Gislaine Leal 08.09.2005

Tito Iubel disse...

Texto que é simplesmente flor de pêssego! Lindo, mas prefiro o inverno!

Tito Iubel 12.09.2005

Marilia disse...

Amo setembro!!!
Beijos!!

Marilia Lopes 12.09.2005

Rodrigo Gameiro disse...

"Passar agosto esperando setembro"

Como é que estes dois meses com fama tão diferentes moram um ao lado do outro?

Rodrigo Gameiro 19.09.2005